CURTA O FLAGAIATO NO FACEBOOK!!!


  • >

    domingo, 31 de julho de 2011

    SAI QUE EU TÔ SEM FREIO

    Acreditem. Montar Um Blog De Sucesso Dá Retorno
    Salve Nação Invicta nesse Nacional molezinha! Está ficando cada vez mais monótono esse campeonato inchado onde nenhuma pseudo-equipe é capaz de curar nosso soluço. Ninguém assusta nosso Mengão Boladão e curtindo esse marasmo passamos por cima sem olhar os corpos que deixamos para trás.

    Nem mesmo os caras cisplatinos visivelmente comovidos pelo escudo sem cor estampado nas linhas de fundo e aderindo de forma ímpar esse estilo pinball de jogar, foi capaz de nos tirar do eixo e nosso Mengão não tomou conhecimento com o Dentuço Mágico fazendo questão de aumentar a crise que paira nas terra dos “machos”, tchê.

    Um show de canetas, passes de calcanhar e até pedalada do Júnior César (pode?) brindou nossa torcida ensandecida que de todos os cantos do mundo assistia o único invicto do Brasileirão e a equipe que menos perdeu no ano em toda a Via Láctea. Ta chato esse campeonato.

    Aliás, percebendo o estilo de jogo dos caras do sul, cheguei a conclusão juntamente com minha rapeize que fechava comigo num barzinho regado a litrão, que todo estado tem um Botafogo - no caso do RS, dois – disposto a enfear o esporte bretão. Como podem existir súditos de equipes cujo objetivo maior é não levar gols? Camarada monta um time no esquema 9-1-0 e pensa ir longe na competição. Não fode!

    Grêmio, Botafogo, Internacional e alguns outros deveriam disputar o campeonato peruano ou o boliviano. Só assim para conseguirem manter seus compromissos e fechar o ano de modo pelo menos não desanimador. Por conta desse futebol defensivo, botafoguenses correm o risco de serem obrigados a casarem entre si na esperança de perpetuar e espécie (como seus primos alvinegros, pandas) e em pouco tempo poderemos ter mais um fato histórico. O primeiro botafoguense nascido em cativeiro.

    No caso do Grêmio então é ridículo, porque contam com um goleirinho que salta feito uma libélula  bailarina e tem a insanidade de querer dar cominho no rei do cominho. Pica! E a única vantagem que obteve nesse lance é a certeza de que sua vaga na selecinha está garantida, afinal fez merda, perdeu penal e levou caneta humilhante, ta convocado. Alguém tem dúvidas de que Wellington vá aparecer nas Olimpíadas? Angelim só não veste a amarelinha porque ta velho. FATO!

    A propósito, o desrespeito de Neymar com papai Angelim o deixou transtornado. Ontem o Magro de Aço estava com o bolinha apertado e zerando todo mundo. Jogou pra diabos. O primeiro Ronaldo da Nação foi infalível e desmoralizante com o pífio ataque gremista. Pobre Grêmio e seu André Lima. Pavoroso!

    Agora, enquanto geral faz as contas e contatos com o sacerdote do capeta em sinal de total descontrole emocional diante da iminente derrota ante o Mengão, nós simplemente (por hoje) torceremos por um raro resultado médio do time do morro (que chamam de colina) diante dos GLBT’S de Sampacity. Será que é difícil não perder pro São Paulo?

    Depender do Vasco é foda, mas só por hoje vamos dar uma moralzinha pra eles e fixar nossos olhos na telinha a fim de ter a real noção de com quantos pontos eles irão terminar a primeira fase da Libertadores. Se com 3 ou menos, porque time que torna Marcelo Lomba herói nacional não merece meu respeito.

    Vamos nessa que o iogurte ta pronto e o Hepta mulabismo está a caminho. E nosso Flamengo vem fazendo jus ao que diz a peladaiada. Estamos ganhando tudo, tirando onda e humilhando na mão grande e cara limpa, invadindo estádio e fazendo vítimas. Colosso Alado ta boladão e geral com o frinfa na mão. Fazer o quê? Galego ta de recalque? Siga o conselho da chefa Lívia e CHUPAAAA!


    Flamengo até na Reencarnação!

    sexta-feira, 29 de julho de 2011

    VOLTAMOS NO TEMPO?

    Sabe Por Que Não Temos Casa? O bagulho É Invadir
    Salve Nação fanática no Ronaldinho! Nada como um dia após o outro para o tempo, juiz da vida, colocar cada um em seu devido lugar. Meu instinto flamengo falhou pela primeira vez ao achar que a peladaiada iria ficar calada após nossa exibição máster lá na Vila do Pelé. Nego a toa começou a lembrar de final de Mercosul (que faturamos primeiro) se esquecendo que no futebol critério de desempate, o que conta é número de gols feitos. E se nós fizemos 5 no Santos e eles 4 no palmeiras, usarei a frase de minha chefa Lívia: CHUPAAAA!
    Vagabundo ficou cheio de recalque, falando pra carai, enchendo a porra do saco e não se ligou que os planetas haviam se alinhado e os cosmos reestabelecido sua força inicial. Bahia – que veio atrás de uma tal “vaga sobrando” que ofereceram – chegou cheio de fome tendo nosso Lomba lá no gol pra fechar geral. E o que vimos dos anfitriões foi um time semelhante ao homem de família que quando agredido, estuprado e furtado dentro de sua própria casa, ao fim consegue um acordo com o meliante e depois sai tirando onda na rua. TNC!
    Mariano pai sempre me ensinou que se a casa é minha, quem manda sou eu, a lei é minha, o advogado sou eu e o juiz também. Nada de ficar de serelepe em minha house pra depois ficar me zoando. Mas parece que o time do Clodovil não pensa assim e viu uns caras chapados de acarajé mega-apimentado ficar de babaquice o jogo todo enquanto os mercenários na arquibancada quase botavam um ovo. Patético!
    Com isso, pude perceber que tudo voltou ao normal. Mengão mais mandão e ditador do que Sadan e Fidel com sociedade, o time da cruz indefinida se roendo de raiva e fazendo planinho pra tentar ser Mengão, Botinha puto com mais um treinador e o Fluzeta sendo mais uma vez abordado pela ilustre companhia do Capeta (a quem devem desde 2000).
    Tá maneira essa atmosfera interessante que paira no Rio desde 1895. Saio na rua é só vejo rubro-negro, raros sofredores passam e fingem não me ver... Bom demais. Se continuar assim, vou ficar ainda mais mal acostumado.
    E nessa paz total vou curtindo a sexta-feira, preparando um joguinho e praticando a cervejada, além de ver umas meninas quase se estapearem pela net. Isso mesmo, não podia ficar melhor. Só peço às girls que caso saiam na porrada, me avisem. Não to afim de perder vale-tudo gratuito que sempre acaba com alguém sem roupa.

    Flamengo até na Reencarnação!

    quinta-feira, 28 de julho de 2011

    ISSO AQUI É FLAMENGO, OUVIU CAMBADA DE SAFADO?

    
    
    Não Basta Ser Mau. Tem Que Humilhar
     
    Salve, muito salve, salve pra caralho à Nação mais bonita e arrogante desse planeta oval onde dominamos desde o Big Bang. Pela foto que abre a postagem, com Felipão botando moral, já deu pra perceber que o post de hoje não é nada amigo e exatamente por isso peço a todos que forem Flamengo que ignorem o parágrafo que segue e retornem apenas no terceiro.
    Aos vagabundos que zoaram antes da hora, dedico todo o meu desprezo e arrogância que só o Flamengo é capaz de produzir. Aviso ainda que o que é vosso está guardado e vocês não perdem por esperar.
    Pronto. Parte do meu sentimento eu já extravasei e creio já poder descrever, buscando a melhor forma possível, tudo o que nós da Plebe Majestosamente Rubro-negra passamos na noite mais flamenga desde aquela de dezembro de 1981.
    Desde cedo, todo ser humano racional e com pelo menos um (qualquer um) dos cincos sentidos pode perceber o mau agouro, a cornetagem e o desdém que estavam sobre nosso Colosso Alado. Facebook e Orkut totalmente alvinegros, tomados por um bando de desgraçados e nus que na falta do que fazer, copiavam criancinhas do mal que vão ao circo na esperança de presenciar o fim do motociclista que se exibe no globo da morte e simplesmente vestiram a camisa anti-rubro-negros. Esses mal amados, cuja mãe deve prestar serviços sexuais à sociedade masculina, alugaram nossos ouvidos vencedores e olhos multicoloridos por toda a quarta-feira. Gozações, risadinhas e tentativas fúteis de fazer-nos o opróbio nesse estado. Cambada de otários! Esqueceram quem veste aquele manto cujo Liverpool tem pesadelos até o dia de hoje?
    Isso aqui é Flamengo! Pra ser mais claro, somos um time que nenhuma mente não flamenga jamais imaginou chegar a ser. Quando pensam numa equipe invencível, impressionante e apelona não imaginam que tal equipe seria, lá na Gávea, rebaixada ao juniores. Somos o medo, desejo, pesadelo e aquela insônia que nunca os deixou dormir. Por isso tanto recalque execrável.
    E o que deixa ainda mais engraçada e revoltante a situação é que as meninas da vila parecem terem entrado na pilha desses falidos nacionais. Vieram pra dentro e em falhas da defesa enfiaram logo 3 gols. Por muito menos, vi – vou falar nome mesmo – a torcida pelada do Vasco da Gama dar as costas pro time lá em Volta Redonda diante do Nova Iguaçu. E daí, que era o Nova Iguaçu? O Vasco não é muito maior que isso. Mas aqui a pólvora faz barulho e rato sai correndo. Só fica quem presta e não sente o tranco. E com esse pensamento tivemos força para dar um rasante na baleia e avisar: “Estamos vivos”.
    Povo flamengo, o futebol premia quem o trata com carinho e ganhamos o jogo quando o sempre magnífico Angelim preferiu tomar o drible a parar Neymar na maldade. Palmas, para o Magro de Aço. O nordestino mais querido do Brasil mostra que não é preciso ser baixo quando as coisas são desfavoráveis e que respeito é bom. Faltou avisar a mula do Elano.
    Quem ele pensa que é? Ou melhor, quem pensa que somos? Humilhar, aqui não. Somos do Rio, mas não mesquinhos como o Vasco e sua torcida mercenária, não damos vexames como os tricolores, nem ficamos na míngua como o Botafogo. Isso aqui é Flamengo! FLA – MEN – GO.
    Qualquer cidadão que assistiu o Carioca nos últimos 4 anos, já percebeu que pênalti aqui é levado a sério e nossos goleiros os que mais contribuíram para a triste estatística de que brasileiro não sabe cobrar penais. Pena que Elano desconhecia. Ai que dó!
    Quis fazer gracinha e viu Felipão matar no peito, fazer embaixadinha e representar toda uma nação com seu ato mudo que expressava “MAIS RESPEITO COM A CAMISA DO MENGÃO!”. Quem naquele exato instante não se virou para a TV, mirou o Elano, largou a etiqueta e o mandou para os lugares mais tenebrosos do universo?
    Ali, eu chorei.
    Choro incontrolável que apenas aumentou quando Deivid empatou a bagaça, dando-me a certeza de que a vitória viria em questão de tempo. Esperei o recomeço da partida como um jovem pai no aguardo de seu primeiro filho, certo de que este será o mais lindo do planeta.
    Acertei!
    Nem o gol do aspirante a Léo Moura me fez desanimar e mantive-me na calma que me é peculiar. Porém não pude manter-me indiferente na falta cobrada por Ronaldinho Gaúcho. Um verdadeiro cala a boca a quem ele mesmo não viu. É, porque teve gente no facebook escrevendo: “Ronaldinho de falta. Duvido!”. Chupa e cospe!
    R10 foi um mito nessa partida, uma versão mais experiente do craque do Barcelona com o adendo de estar muito bem vestido. Marcou um hat-trick, deu assistência, dribles, pediu a bola, chamou a falta e com Thiago Neves, Deivid e Júnior César, certamente alavancaram meu Cartola.
    Isso aqui é Flamengo! Nossa mulambada canta mesmo o hino do time na hora do hino nacional. Aliás, que linda essa atitude. Naquele momento, os súditos do Colosso mostraram a que foram, mas os santistas não souberam ler. Fodam-se eles. Invadimos, jogamos, maltratamos, judiamos e - porque não? – metemos 5.
    Lembram do texto que postei antes desse? Era isso que queria passar. Ser Flamengo é mais que tudo e vale a pena acreditar.
    Ser Flamengo é correr quando a regra é parar, gritar quando a regra é se calar e apoiar quando o mundo iria avacalhar. Ser Flamengo é amar na certeza de que o amor será retribuído, amparados no firme alicerce de um relacionamento verdadeiro, duradouro e revestido de eternidade, onde o orgulho se redobra, os planos se renovam, o sentimento é recíproco e a esperança inabalável.
    Exatamente por isso não poderia finalizar o texto com outra frase senão a que destaco abaixo de peito inchado, olhos marejados e coração sincero.
    “Eu teria um desgosto profundo se faltasse o Flamengo no mundo. Ele vibra, Ele é fibra, muita libra. Já pesou. Flamengo até morrer eu sou!”

    Flamengo até na Reencarnação!

    quarta-feira, 27 de julho de 2011

    EXTREMES NO SENTIMENTO QUE NOS UNE, A NAÇÃO SEMPRE FEZ A DIFERENÇA

    Salve Nação Hegemônica Estadual Em Tudo, não imaginei que fosse obrigado a fazer isso de forma tão precoce, mas devido a alguns acontecimentos me vejo na obrigação de alertar vagabundo que isso aqui é Flamengo.
    Como é rotineiramente presenciado por todos na mídia, nossa esmagadora superioridade moral e numérica, amiga nas horas de zoação, fator que nos torna ainda mais temido por todos, tem em contrapeso o poder de tornar qualquer estalinho flamengo em verdadeiras bombas nucleares – coisa que só acontece em time de expressão e sempre da elite. Exatamente por isso, é nosso dever como súditos do Colosso Alado proteger de todas as formas nossa fortaleza tão visada e acolhedora das maiores joias do mundo, tais como troféus infindáveis, taça do Mundial, histórias no campo fodonas, lances genias que duram décadas e essas coisas que só quem é Flamengo pode tirar onda.

    O problema é que tenho percebido há muito que não bastasse os ataques infundados da mídia e dos doentes de SAB que comemoram título de atalho como se fosse Copa das Galáxias, alguns entre nós estão se contaminando com as investidas dos flamenguistas do avesso, vulgo anti-flamenguistas.
    Ataques ao recém-estreado Júnior César, críticas ao Gaúcho, xingamentos à nossa zaga… Tá certo que não dá pra agradar todo mundo, porém esse tipo de ataque deixem pra quem está de fora e faz passeata e festa exagerada igual o Volta Redonda quando ganhou a TG e Santo André e Paulista de Jundiaí quando faturam raros canecos. Esse tipo de ataque ao FLA não cabe a nós que temos o dever civil formalizado por meio de julgamento de ser “Flamengo até morrer”.
    Campeonato tá no início, o time encaixando os novos reforços e não se esqueçam que só perdemos 1 jogo no ano. Não tem ninguém melhor que nosso Flamengo nesse país, portanto menos cornetagem maluca e mais atitude flamenga. Está geral cansado de saber que só quem acredita na gente é a gente mesmo. Ser anti-flamenguista nesse país é profissão muito da defasada e por isso não podemos nos deixar levar pelo siricutico nostálgico dessa gente pelada de mundial.

    De Borghetti à Bussunda, ser incorruptivelmente Flamengo é o motor que abastece nosso ânimo nessa engrenagem flamenga na qual estamos deliciosamente sentenciados a viver e quem tende a agir de forma contrária não merece usar uma retrô do Junior, do Zico, uma camisa do Imperador ou arrotar que tem o Gaúcho no time. A esses, Deus reservou o confinamento numa carcaça perdedora, judiada, mal-tratada cujo destino vez ou outra lhes beija a boca antes de introduzir-lhes novamente seu malvado instrumento.
    Portanto cambada, se quiserem cornetar que seja bem longe do ninho, porque local de manifestação sem sentido é lá na joça onde os seguidores dão as costas pra equipe durante o jogo e depois os chupam após reles vitórias sem expressão. Se quiserem avacalhar e falar merda, vão praquele time que alugou um estádio apenas para matar a saudade de abraçar algo que possam ,ainda que erroneamente, chamar de seu. Porque lugar de covarde e perdedor não é na Gávea.
    Lembrem-se antes da cornetagem sem freio que Borghetti e Bussunda nos provaram ainda mais. Mostraram que mesmo o hino dizendo que o que nos move é ser Flamengo até morrer, a verdade completa é que ser Flamengo atribui intrinsecamente o rótulo de escol e a capacidade de ser imortal.
    Tenho dito!

    Flamengo até na Reencarnação!

    SEJAMOS INVENCÍVEIS EM VEZ DE NÃO PERDÍVEIS

    Herói e Imortal. Todo Vencedor É Assim
    Salve Nação cansada de tanto empatar! Esse texto está pronto desde o sábado a noite, mas por uma série de fatores fui adiando e resolvi publicá-lo hoje, às vésperas de mais uma peleja.
    Queria poder sentar em frente a esse PC e sacanear muito mais gente, mas nosso mistão esquisitão subestimou os retirantes e empatamos mais uma vez nesse campeonato pífio onde nosso maior adversário é nosso ego vencedor.
    Será que Luxemburgo ainda não entendeu que sob hipótese alguma, Welington deve ser titular? Ta certo que a culpa não foi toda dele nessa última partida, mas zagueiro que não sabe jogar sem dar sanafões pra onde o nariz aponta, merece o desprezo de qualquer treinador. Até mesmo o Cuca foi capaz de ignorá-lo impiedosamente, quanto mais Luxa Penta-brasileiro. É inadmissível que continuemos com essa não vencibilidade que paira sobre nosso ninho.
    Faturamos o pífio carioquevisk numa sucessão horrorosa série de empates que teve seu fim num zero a zero diante da 6ª força do Rio onde estes provaram ser até então (a seleção ainda não havia jogado) os piores batedores de pênaltis da América. E parece que isso iludiu alguns entre nós com a escama da mentira que encobre erros e estagna os fracos. Onde já se viu estagnação diante de 35 milhões de olhares pesados sobre alguém?
    Cidadão que não almeja evoluir não pode desfilar com o único manto que usa estrelinha original nesse estado. Camarada com pensamento pequeno deve ser obrigado a pagar micos como vestir blusa grená (uiiii), camisa zebrada que não sofre alteração no design desde os tempos em que Carmen Miranda era a Winehouse da vez ou na melhor hipótese dentre as piores, passear com uma camisa cheia de estrelas inexplicáveis e ter um conservo que nem harakiri conseguiu cometer. Sim, porque ser um fraco, feio, falido, desgraçado, pobre, cego e nu é mister, desde que ao menos sua tentativa de suicídio não seja um fracasso. Suicidar é o mínimo de esforço que a vida exige de cada um.
    Os súditos do Colosso Alado já estão demasiadamente chateados pelo vexame que foi empatar com o Botinha mono-brasileiro e agora ainda vem esse vexame diante dum time que disputa a série A uma vez a cada 16 anos? Tem neguinho pedindo pra virar notícia ruim.
    Agora, os caras da vez são as santas do Santos que estão cheios de marrinha só porque faturaram o caneco-mor das Américas e caberá ao nosso elenco caríssimo carimbá-los at home. Dessa vez não vai ter chororô, nem lenga-lenga, nem desculpinha. Queremos show, afinal isso é Flamengo. A hegemonia total do estado do Rio se encontra aqui. A honra dos vascaínos, botafoguenses e tricolores poderem falar à paulistada que nosso estado tem um título mundial está em jogo e nada poderá nos impedir de manter essa alegria estampada no rosto de nossa freguesia.
    Portanto é bom que a galerinha leve esse bonde a sério, falem menos, joguem mais e empalemos os caras de branco em casa que é pra mostrar respeito. Afinal mulambo é assim. A gente sai sorrindo, invade a casa, quebra tudo, leva o que tem de valor e ainda posta no facebook exibindo nosso sorriso banguela tendo como fundo um belo varal rubro-negro amarrado a um poste cheio de gato num barraco da favela. É ou não é?
    Só aviso à galera amante do Colosso Alado que caso o blog fique às moscas por três dias, é culpa do remédio que irei tomar quando o Neymar começar a rabiscar pra cima do Wellington. Haja coração!

    Flamengo até na Reencarnação!

    terça-feira, 26 de julho de 2011

    SE PASSAR DE 2012, ACABA EM 2014

    Outra Dessa E O Mundo Acaba
    Salve Nação e galerinha do avesso! Hoje acordei meio nostálgico, pensativo e superabundando bondade para com a turminha que não deu a sorte de ser Mengão, mas frequenta esse espaço rubro-negro. Creio ser o efeito colateral devastador que a canarinho provocou em nossas mentes após aqueles tiros de metas da marca penal que presenciamos no torneio de seleções da América de Baixo. Aliás, que torneiozinho medíocre onde dá pra ser campeão até mesmo sem fazer gols e/ou vencer uma partida que seja. Isso só não aconteceu porque o Botafogo cisplatino, vulgo Uruguai, que não faturava nada desde 95, resolveu ressuscitar uns heróis e encaçapar o pobre, frágil e inofensivo Paraguai que apenas o Brasil fez a proeza de dar moral. E minha gente, isso realmente me assusta.
    A seleção brasileira (que não é mais tão “ão” assim) é a válvula de escape dos sofrimentos tupiniquins. Um simples joguinho copadomundiano é capaz de tornar invisíveis e impensáveis todas as roubalheiras, mensalões, aluguéis atrasados e pensões das crianças. Durante a Copa do Mundo, negros, pardos, brancos, vermelhos, gays e machos pra carai se tornam apenas um ser chamado treinador-não-convocado e toda sorte de cornetagem é proferida e irrefutavelmente aceita. Vinte e dois jogares se tornam sobrenaturais homens indignos de erros. Por isso me preocupo com o futuro recente de nossa amarelinha.
    Faturar a Copa é mais do garantir biritagens mil, ou folgas do serviço em dias de jogos ou azarar mulher dando abracinhos sacanas em momentos de tensão. Ter em posse aquele troféu de ouro estalando é garantir-nos do topo dessa pirâmide, lugar que é nosso por direito. Neymar, Ganso, Pato, Lucas Leiva (sai azar) e essa molecadinha são o que temos pra Copa e duvido muito que nasça em três anos, algum fenômeno capaz de salvar a nossa pele. Garotos de personalidade em formação. Uns mascarados demais, outros cabisbaixos demais, outros fora desse mundo...
    Inquieta demais ver jovens promessas tão fora do eixo como o cidadão goleiro do Sport e seu ato criminoso sobre o time da cruz pátea. Tem que tratar esse garoto, porque o último goleiro de time rubro-negro e de temperamento nervosinho que conheci, matou uma atriz pornô e deu pro cachorro comer.
    É minha pova, isso é o que temos e devemos apoiar até em 2014. Mas o que fazer pra essa garotada evoluir em tão pouco tempo? Estaríamos pagando o preço de uma gestão ditatorial que lotou nosso calendário e eliminou tantos torneios importantes em que essa turma poderia ir pegando experiência? Ou geral já se esqueceu que síndrome de putaiagem que atingiu a AFA já passou por aqui? Explico. A Federação Argentina de Futebol resolveu fazer um campeonato reunindo times da primeira e segunda divisões do país. No Brasil, o nome disso é virada de mesa. Pergunta pro Flu.
    E isso arrebenta qualquer planejamento sério que possa ser feito, levando as equipes a abandonar o profissionalismo e praticar um futebol ridiculamente amador onde os maiores prejudicados são os torcedores que são obrigados a assistir peladas e vascamento de seus jovens craques para países onde o futebol é levado a sério. A Argentina enfrenta com sua seleção principal, um jejum maior de que o Botafogo em brasileiros. Bagulho é doido.
    Só não quero galera, que fiasquemos justamente dentro de casa, já que sem eliminatórias pouco se verá desse time antes do torneio-mor do futebol mundial. A Nação Tupiniquim não está preparada para um vexame tamanho em solo pátrio. Pestes vexatórias do naipe de alguns da selecinha colocam nosso planeta sob constante ameaça, porque se a profecia inca do fim do mundo não se cumprir em 2012, André Santos, Lucas Leiva e Elano a tornam verídica em 2014. É só dar fiasco na Copa e terão que instalar UPP’s no círculo central do Maraca.

    Flamengo até na Reencarnação!

    segunda-feira, 25 de julho de 2011

    A PARADOXAL MAJESTADE DA PLEBE

    Majestosos Pela Própria Natureza
    Salve Nação Hegemônica! Desculpe tê-los deixado à mercê do marasmo sábado constantino, vulgo domingo, mas fui à uma cervejada duns brothers e não tinha condição de conciliar o blog e a biritagem. Foi até melhor pra esquecer o fiasco que nosso Colosso fez em Macacity nesse sábado que passou.
    Na cervejada deu pra conversar, rir, dançar, gritar e tudo regado ao som da Banda Stodgy tocando o que de melhor o rock’ n roll nos proporciona. Maluco que estiver na deprê e escutar o som desses caras se cura na facilidade. Porém se camarada for emo, ou se converte ao verdadeiro rock ou sai suicidado.
    E falando em suicídio... Isso me lembra um certo timeco cujo torcedor não conseguir realizar o feito mínimo da vida - a arte do suicídio – lá da cobertura de sua pocilga. Galerinha do avesso que torce pra esse pseudo-grande carioca, sexta força do estado ficando atrás até mesmo do Olaria - segundo reza a tabela do estadual desse ano que existe exatamente para decidir quem é quem – está em polvorosa diante da convocação do Mussum pra seleção. Ora, ter alguém na seleção é natural, afinal indiretamente todo time se programa pra isso e não vejo motivo para tamanho frenesi. Contudo entendo o exagero pela galegada cometido, porque há anos nenhum pirata daquela caravela (que eles cismam que é nau) é chamado para vestir a amarelinha. Fato que talvez seja derivado do jejum de títulos, reconhecimento, moral e toda sorte de atributos sem os quais nenhum time subsiste.
    Nós flamengos, que usamos a única estrelinha oficial na camisa nesse estado, tripudiamos sobre os 3 patetas desde que o mundo é mundo e até mesmo antes do Flamengo existir. E essa superioridade incontestável deixa os pseudo-nobres em situação desconfortável e visivelmente atormentados diante de qualquer ato não vexatório de suas respectivas equipes. Simples títulos são comemorados como um Mundial de clubes, convocações como indicação ao Nobel e reles vagas como revogação de sentença de morte.
    Por isso, creio que devamos pegar mais leve com eles nessa trajetória engraçada que se chama vida. Eles não conseguem compreender como meros mulambos desdentados amantes de um abutre podem desfilar de peito inchado pelas ruas e arrotar hegemonias. É um paradoxo inexplicável ver a plebe reinando na terra dos reis. Os almofadinhas coloridos visitaram o inferno e rebolaram ao som do capeta, os zebradinhos viúvas do Garrincha dormem o sono dos fracos e não creio que possam acordar e os galegos com nome de vice-rei – não façam piadas com o vice – estão  enfim conseguindo ficar de pé, posição a qual nunca deixamos de lado. Tudo isso confunde a mente desses pobres ricos-pobres.
    E eu como gaiato flamengo ciente de que somos a válvula de escape desses caras quando confrontados com paulistas, permaneço ao lado da minha rapeize rubro-negra sentado no trono real que a vida nos presenteou e ao som da Banda Stodgy que citei no início do texto. Porque os caras são como o Flamengo. Ocupam posição de destaque, atraem a multidão, chegam de mansinho e ao contrário do que esperam fazem um barulho do carai.
    Portanto, aviso aos infelizes que sempre visitam esse blog marrentão para verem o tamanho do instrumento que introduzo em suas carcaças magrelas, que a banda supracitada é de responsa e o som é pra macho. Vou disponibilizar o link pra galera ouvir, curtir e promover, mas não me responsabilizo se algum fracote restartiano sair com a mente confusa e querendo cometer harakiri. Afinal, eu avisei que o som era doido e o barulho (assim como o Flamengo) de primeira.

    Flamengo até na Reencarnação!

    sábado, 23 de julho de 2011

    E QUANDO O PIOR LUGAR É O LAR?

    Nação. Patrimônio Cultural Da Cidade Do Rio De Janeiro
    Salve Nação! Sabadão esquisito, Amy Winehouse enfim se rendeu e sacramentou sua morte já ocorrida há décadas, um bando de gente que sempre meteu o pau vai aparecer prestando pseudo-solidariedades e o debate quanto às drogas virá à tona mais uma vez. Sob uma atmosfera dessas fica difícil concentrar na partidinha contra o pequeno Ceará hoje a noite lá em Macacity. E aproveitando que drogas será o assunto da semana, falemos sobre investimentos fúteis, o que é uma super droga.
    Andando pelas ruas, navegando nas redes e até escutando radinho de pilha fica notável a mobilização de nossa diretoria para angariar fundos para a melhora do CT e uma possível construção de um estádio. Pode até dar certo, desde que a fórmula a se utilizar seja a européia. Verdadeiras engenharias que transformam reles estádio em assustadoras arenas onde os rivais são humilhantemente massacrados só de pisar no gramado.
    O Boca Juniors criou algo parecido em tamanho reduzido e que deu certo. Falar em Bombonera assusta e jogar apavora. Portanto, se formos construir de fato outro estádio (porque a Gávea é um estádio, só que incapaz de comportar nossa massa ensandecida) que façamos direito no que tange ao psicológico alheio, retorno da verba e títulos - este, fator fundamental e pedra angular dessa epopeia. Assim deve ser o planejamento.
    Dinheiro não dá em árvores, os tijolinhos estão caros pra carai e a Nação já não tá levando fé. Então não me venham com uma réplica de São Januário, senão o bicho vai pegar. Aliás, o estádio citado é um bom exemplo de como erguer algo errado.
    O campo que fica no bico do corvo e serve de monumento na favela pode ser comparado à uma construção inca. Legalzinho, chama a atenção, mas não serve de porra nenhuma. Estádio é zicado, tem fama de azarão, rebaixou a equipe da casa, meteu jejum de quase uma década e o time só conseguiu ser campeão obtendo bons resultados fora de casa. Ta aí um exemplo que não devemos seguir. O pobre do Botafogo cismou de jogar com os Gambás lá na pocilga supracitada e deu no que deu. Sova “em casa” e o dedo do goleiro dos caras (desavisado) foi parar lá na costela.
    Sem contar que um estádio tão pequeno tende a reduzir os ganhos de qualquer clube. Vejam o Santos e as finais da Liberta sendo jogados no Pacaembu. Até mesmo o Vasco e jogos importantes da Série B mandados no Maraca. Vila Belmiro e São Januário não são nem perto o que seus idealizadores imaginaram ser. Casos em que quando mais se precisa, o pior lugar acaba por ser o lar.
    E Estádios são construídos com a idéia de inicial de lar. Um cantinho onde o clube da casa pode jogar à vontade e com o apoio de seus adeptos na esperança de conquistar títulos. Quando esse objetivo não é alcançado, não há dinheiro e decoração no mundo que faça valer a pena tal investimento. Logo, esse papinho de “eu tenho estádio” só vale se sucedido de “eu tenho títulos”.
    Flamengo, Real Madrid, Milan e Inter de Milão são exemplos de clubes que alugam estádio e são campeões. Por que clubes de tamanho quilate como os europeus não construíram para si uma arena própria? Simples. A fórmula do inquilinato num estádio que suporta o peso da torcida tem funcionado e não vale mexer no que está dando certo.
    Nossa máquina rubro-negra nunca teve (nem terá) uma casa que seja digna do manto que vestimos e a flâmula ostentadora de glórias que envergamos, todavia se for para depositar faraônica quantia em algo, que este seja pelo menos maior que o Maracanã, que já provou não suportar e Nação em dia de frenesi.
    Então está dado o aviso à Tia Paty, sua gang do mal e a mulambada sem dente mais feliz do planeta que deseja comprometer parte de sua renda nessa causa nobre. Vamos agir com inteligência, porque quem assim não faz, acaba passando vergonha, rebaixado em casa e com um cidadão cheio de tóxico na mente querendo se jogar da cobertura e cometer um harakiri.

    Flamengo até na Reencarnação!

    sexta-feira, 22 de julho de 2011

    QUEM VIVE DE IMAGEM É SANTO CATÓLICO

    Com Esse Aí, Palhaçadinha É Cemitério. Volta Felipe!
    Salve Nação Terror do Rio! Chegamos enfim à sexta-feira exterminadora de neuras, dia mundial da biritada sem noção, onde bruxinhas viram anjinhas após alguns litros de cerva e doses de cangibrina. E com esse pensamento já saí nessa tarde imaginando onde seria a biritagem de hoje, quando deparei-me com meu vizinho, amigo de Royal, flamenguista e que há anos não o vejo no Bar do Peixe, na Vila Helena, devorando corvinas. Falo do grande Ramires, volante da Seleção.
    Mesmo cheio da grana, moral pra carai, cidadão barrense continua humilde, gente fina e mete até marra de salvador de asilos. Esse é o Ramires exercitando sua veia mulamba e ajudando quem precisa. É assim que deve ser.
    Porém o que mais me animou não foi ter a ilustre prosa com um cidadão da seleção, mas poder pedir a fineza de Mister Ramires para que este voasse como o Júnior Baiano em atacantes do Flu, só que nos ligamentos cruzados de Lucas Leiva, o ser mais inútil do planeta. Lucas Leiva, apêndice e amídalas, foram feitos para dar problema e bobo é quem insiste.
    E mantendo o assunto em gente feita pra dar problema, permitam-me dedicar pelo menos um parágrafo ao maior enganador do futebol nacional. Kléber, o gladiador.
    Cidadão nunca ganhou porra nenhuma, só se mantém na ativa graças à merdas rotineiras que insiste em cometer, ainda assim teve a sondagem do clube de maior expressão do país, aumentou sua cifras graças ao Mengão (porque se assim não fosse, estaria ganhando a mesma “merreca”), demonstra ser um babaca incapaz de realizar a única atitude futebolística que não requer habilidade (o fair play), recebe apenas uns míseros insultos e ao invés de aproveitar a oportunidade e se calar, fica de marrinha pelo twitter e depois apaga. Acho que 35 milhões de maus agouros devem tê-lo assustado. Pobre otário! Sentenciado a nunca jogar por um time grande e morrer como Cocadas e Zés Elias (que descobri estar preso).
    Pseudo-jogadores como Kléber, deveriam seguir a fórmula do (e não da) Kaiser e viver numa mentira bem contada como faz Robinho e brevemente Neymar. Em pensar que eu desejei esse tal gladiador no meu Fla... tsc tsc tsc
    Mas fico feliz dos deuses do Olimpo futebolístico terem feito justiça e o deixado naquele time empesteado de Série B, porque a sina do porco é virar comida de urubu e o fim dos gladiadores servir de alimento para bestas-feras.
    Foco agora é judiar dos caras que ousaram ferir de leve nosso cabaçinho semi-virgem esse ano e sem Gaúcho e Thiago Neves enfiar a maçã na boca nas cabeçudas zebradas. De preferência deixando o garoto Adryan tirar uma onda com aqueles velhacos de Fortaleza. Onde já se viu dar idéia pra retirante?
    Com isso, minha sexta fica feliz pelo Ramires, sanguinária pelo Ceará e desejosa de que Tia Paty e sua gang do mal em breve repatriem Felipe Carrasco Melo a fim de que este mostre ao Kléber como é fria sala do departamento médico.
    Kléber, o que é seu tá guardado.
    Flamengo até na Reencarnação!

    quarta-feira, 20 de julho de 2011

    FELIZ DIA DO AMIGO

    
    
    Salve Nação rumo ao Hepta! Nessa tarde bonita e agradável desse 20 de julho lembrei-me de tão importante data. O dia do amigo. O que seríamos sem esses irmãos que a vida nos empresta a fim de que a trajetória sempre íngreme dessa ladeira seja mais amena? Não escolhemos nosso nome, não escolhemos nossos pais, nem a data em que nascemos, mas vejam que lindo, os irmãos de verdade a vida nos deixou escolher. Amigos. Temos tantos e tão poucos, são pequenos, mas tão grandes, mal afeiçoados, mas tão divinos...
    O estranho fenômeno da amizade nos surpreende. Como pode aquele ser comum se destacar para viver conosco uma vida tão particular? E tal presente dos céus, se estende até mesmo ao campo onde a pelota rola macia e a massa vibra gol. Falo isso baseado em meu amigão Flamengo que tantas alegrias tem me dado. Porém seria injusto se aqui me esquecesse de citar, mencionar cuidadosamente a graça e motivo da graça de certos amigos que o futebol nos deu ao longo da vida. E assim começo falando dele, o cara que com 2 “Real” comeu 1 “bacalhau” e chamou o... Raúl!
    Ele mesmo, nosso brother Rául, ex-Real Madrid. Camarada gente-fina, sangue azul e que sabe fazer justiça. Enfrentou meu Mengão pouco antes lá em Mallorca e voltou pra casa com 3 ovos nas costas, mas quando o adversário era indigno de honra, o algoz com cara de avião de guerra, afundou a caravela num dos gols mais humilhantes da história do Mundial de Clubes. Grande Raúl, que por sinal deve ser amigão do Nasa. Lembram dele? Aquele mandou o Vasco pro espaço. Gente-fina também!
    Andando mais pra frente, vamos deixar nossos sinceros abraços, beijos e sorrisos ao personagem antagônico, mais protagonista do planeta. O paradoxal Valdir Papel. Amigo de todas as horas, atacante habilidoso (meteu gol no Vasco pelo Madureira) e que sabe resolver a parada. Entrou em campo, com dois de desvantagem, time adversário voando e seu time tem sina de vice? Valdir resolve (do jeito dele).
    Não poderíamos também, faltar com o Emerson ex-botafogo, o espião do Fla. Não é todo dia que herói mete dois gols (contra) em duas finais consecutivas. Mereceu citação e aplausos da Nação. Emerson foi, na verdade, o herói do Penta-Tri. FATO!
    Temos ainda aquele amigo boca-aberta que só nos faz rir e nos presenteia com sua ingênua debilidade. Abração pro Flu!
    Cabe também lembrar e dar lugar de destaque ao maior vascador de títulos do milênio. Edmundo, aquele animaaaaaal! Tirando o ano de 97 e seus 365 dias de glória, Ed só fez a alegria dos rubro-negros de plantão. Isolava pênalti elanamente, cansou de tirar o Vasco de finais importantíssimas e foi cabal no rebaixamento ao mandar pra galera três gols feitos em pleno São Janú Mangalô Três vezes. Edmundo é isolado o maior amigo de todo rubro-negro. Ou alguém se esqueceu daquele pênalti que ele recuou pro Bruno depois de cair na catimba do Ibson?
    Aliás, por que o Ed não tem uma estátua lá na Gávea? Não ganhou nada com a gente, mas fez musiquinha e afundou o Vasco com honras. Merecia uma medalha de cidadão rubro-negro.
    Mas enquanto isso não acontece, prezarei pelo não putaiagem e visando não ser tido por mal agradecido, safado, sem coração, nem querendo mau agouro ou xingamentos familiares, deixo meu abraço ao amigo verdadeiro, que só me faz bem, só me deu alegria e nunca (eu disse NUNCA) me deixou na mão. Abraço Vasco da Gama!
    Time dos caras só chega à final pra ajudar a gente a ser campeão e poder biritar na maciota. Ta aí. O Vasco também merece uma estátua lá na Gávea. Daquelas que a noite ganha iluminação parecida com a do Cristo Redentor. Sei que muitos flamenguistas podem achar que viajei, mas pensem se não fosse o Vasco em 99, 2000, 2001, seríamos tri? Quem mais seria empalado pelo Real Madrid com um gol aos quarenta e dez do segundo tempo? Quem ousaria ser rebaixado em casa e promover um espetáculo como aquele do suicida e seu harakiri frustrado? Ou qual equipe, no planeta, deixaria voar um Mundial em casa para um timeco que nem a Libertadores ganhou?
    Estão vendo? O Vasco merece ou não uma estátua em nosso QG? Se fosse pra escolher mediante uma votação eu toparia, porque vocês sabem que estabelecimento que tem foto do freguês, garante, por anos, a clientela.

    Flamengo até na Reencarnação!

    terça-feira, 19 de julho de 2011

    TRAGÉDIA POUCA É BOBAGEM

    
    
    Salve Nação Hegemônica e galerinha do bem (que torce mal) que freqüenta esse blog que jáé sucesso da terra dos barões do café! Semana tá chatona, imprensa só fala sobre os Field goals executados pela selecinha, nenhum repórter perde tempo indo no Botafogo pra mostrar aquele time de cinza treinando cobranças laterais, mais um ídolo cai no sul, o Flamengo faz a contratação do milênio – Jael, o Cruel - ... chatassa a semana.
    Ainda bem que pela noite tive uma conversa super interessante num aspecto de retrospectiva com meu brother semi-salvo Thadeu, onde relembramos pérolas do futebol fluminense (refiro-me ao estado), “ídolos” das torcidas e histórias bizarras da vergonha nacional, o Fluminense (me refiro ao timeco colorido mesmo). Incrível como o mais velhaco dos times cariocas conseguiu cometer as maiores gagazices desde que Jesus ressuscitou. Quais as chances dum time cair 3 vezes seguidas? Pelo que sei só o Fluminense, o Juventude e o Santa Cruz. Nem o Volta Redonda foi pereba o suficiente para amargar uma decepção dessas. Mas não pensem que fazer vexame é peculiaridade do Flu. Botafogo já deu vexame (sei que isso é pleonasmo) em 2002, quando fez uma campanha péssima - terminou em penúltimo lugar - e poderia ter caído ainda em 1999, não fossem os pontos conquistados no TJD. Aliás, a queda do Gama em detrimento ao time carioca foi o estopim que culminou com a Copa João Havelange – aquele campeonato doido que tinha Malutron na fase final. Tsc tsc tsc
    Interessante como os times cariocas, exceto o Mengão, tem o dom de virar piadas e charges eternas. Precisava o Botafogo afundar o Gama pra permanecer ou o Flu sacanear o São Raimundo pra faurar a Série C? Precisar, até que precisava, mas nada justifica a atitude da torcida do Nense eufórica, ao ver seu time com uma medalha de honra ao mérito da Opalla Sports, e gritando: “Não é humilhação. O Flu é tradição!” Tenebroso!
    E o Botafogo que quando caiu de fato pra série B, que paquerava há séculos, fez o fiasco de não conseguir vencer e ser vice do Palmeiras. Pode? E o time onde Túlio é deus, conseguiu perder pro Remo, empatar com o Marília e terminar o quadrangular final a uma vitória de permanecer mais um ano no abismo.
    Todavia, nem se compara aos tricoletas, que servem de escárnio até hoje para os anapolinenses, dompedrenses e royalinos de BP, porque se não fosse o gol de Túlio (esse mesmo), que deve estar contando para os tais “1000 gols”, totalmente impedido, podendo ser visto a olho nu, os pó de arroz teriam feito o favor de empatar com o Royal Sport Clube (sem Ramires, que tinha pouco mais de 13 anos).
    E não para por aí. A foto que ilustra esse post imparcial é apenas um dos caldeirões nos quais as bibas cariocas nadaram durante seu infindável tour pelo inferno, de onde só saíram após fechar um pacto de sangue com o sacerdote do Capeta, Eurico Miranda.
    Por isso não aceito nenhum tipo de comentário fraudulento oriundo de bocas tricolores, porque geral sabe que sua permanência na elite nacional é um convite que tem prazo contado e durará até que o trono do sumo-sacerdote, Ricardo Teixeira, seja extirpado desse país. E uma coisa é certa. Basta derrubar o cara que domina a CBF e os caras da camisa grená (ui que ar-ra-zo) irão disputar a série B com garotos de 15, 16 e 17 anos, zagueiros de 1,60 cm e um goleiro sub-13, porque alguém duvida que retornando os coloridos para o lar, a empresa de plano de saúde vasca fora? Quem quer ver seu nome sujo e estampando calções cheios de barro num campo qualquer de Mato Grosso, Rondônia ou Amazonas?
    Daí, fica a dica pra rapeize que chora quando é sacaneada. Bora fazer um plano de saúde pros caras do Pinheiro amigo acharem que tá dando lucro, porque saindo os papaizões da parada, vão consigo mais de meio time e aí voltarão a vestir as camisas 7 e 9, Roni e Magno Alves, respectivamente. Maluco mesmo, hein!

    Flamengo até na Reencarnação!

    segunda-feira, 18 de julho de 2011

    DIVERGENTES NAS OPINIÕES COMUNGAMOS DE UM MESMO SENTIMENTO

    Quero Uma Foto Assim Com Mano Thadeu. Rola?
    Galerinha, após a eliminação catastrófica de nossa selecinha, ainda procuro uma forma de digerir tal fatalidade e estudo uma maneira sucinta e convincente de levar ao Supremo Tribunal Federal uma proposta onde requererei que quando o assunto for penalidades envolvendo o time do pátria, que o bem estar comum seja observado. E nada mais seguro e justo que o Mengão seja encarregado de executar e defender tais cobranças. Afinal, aproveitamento na marca da cal como o nosso não há e isso é dolorosamente irrefutável por toda a galerinha do avesso que frequenta esse blog. Diante de tudo isso vejo-me sem inspiração para escrever, mas vos deixarei com um texto da minha antiga casa, o FLAMOR, que quando lá postei fez muito sucesso e ainda contou com uma citação ao fim de minha amiga vasquetinha Yankinha sapiens sapiens.
    Salve Nação Rubro-negra e leitores assíduos desse blog que a chefa chama de tumblr, mas é tudo a mesma coisa. A razão dessa postagem beirando a noite do sábado é de caráter crucial à sobrevivência do Fanaticus Amantis Clubis, vulgo torcedor gaiato, que sofre sérios riscos de extinção. O problema se dá talvez a vida corrida,aos constantes problemas de nossa sociedade, ao bullying (que agora é desculpa pra qualquer ato sem desculpas) ou o cacete a quatro, mas a realidade é que ser gaiato tem sido difícil e demasiadamente perigoso.
    Tudo porquê infelizmente há pessoas que não conseguem discernir diversão de confusão. O que leva um cidadão a sair de casa pronto pra matar, brigar e virar notícia ruim na TV? Em escalas menores, porém, não justificáveis, qual neurônio – ou ausência de - é responsável pelo rompimento de um laço por conta de divergência de pontos de vista futebolísticos? Estaríamos sentenciados a torcer com medo ou parar de torcer?
    A diferença entre um flamenguista, um corintiano, um vascaíno e/ou um atleticano está apenas na escolha do time. Sim escolha, porque por mais fanático que sejamos não dá pra negar que time e corte de cabelo a gente aprender a gostar, não nasce intrínseco ao nosso caráter, não se caracteriza algo instintivo. O fato do blogueiro que vos escreve ser doentiamente Flamengo não me sobressai nem me menospreza perante a sociedade e o mesmo ocorre com você e a todos que estão a sua volta.
    Em frente a TV ou no estádio, assistir ao jogo do seu time é sempre emocionante e a zoação pós-jogo só faz aumentar o deleite de atividade tão prazerosa. Vestir a camisa de peito estufado sentindo-se o rei do mundo nos faz sonhar, cânticos de incentivo nos fazem participar, o ardor da luta justa disputada nota a nota nas arquibancadas compensa o sofrimento e as lágrimas de emoção que são derramadas durante a partida e esse direito nunca permitirei que nos tirem na mão grande.
    Quero poder rir de um tricolor após seus tropeços, debater futilmente com um botafoguense uns assuntos relacionados aos times que nunca terminam num consenso, fazer piada, apostar, escrever meus textos flamengos sem medo de uma retaliação ou capcioso de um torcedor maluco me fazer mal de alguma forma.
    Povo gaiato amante de qualquer flâmula, quem me conhece sabe bem como sou. Um cara descolado, gozador nato, leitor confesso e que ama um “mal feito” só pra sacanear vagabundo e fazer geral sorrir. Meus textos nesse blog flamengo, por hora centrados, por hora cômicos, nunca tiveram a intenção de ferir alguém. Se implico com o Vasco chamando de sexta força do Rio, com o Botafogo e sua saga Monobrasileira ou com o Fluminense e seu histórico Tri-rebaixado é unicamente com o intuito de divertir o público a quem o blog é primeiramente endereçado.
    Digo isso por já ter sido abordado (sempre por amigos) e perguntado o porquê de tanta implicância, de tanto escárnio e por vezes acusado de fazê-los de chacota. E não é dessa forma que gostaria de ser encarado. Minha imparcialidade natural me permite ser parcial por momentos e desejo veementemente que seja compreendido.
    Portanto galera, nada de brigas, atitudes baixas, rancores e nada do gênero por motivo algum, muito menos por causa de futebol, pois a idéia é divertir.
    Sendo assim, afirmo e reafirmo o que sempre apregoei aos quatro cantos. Que o dia em que começar a perder amizades colocando sob risco de morte minha vida e de quem me acompanha por conta do meu amor ao Flamengo, mudo de time ou paro de torcer, pois não faz sentido manter minha devoção a algo que me tem sido nocivo e como ouvi de uma amiga vascaína cuja sapiência excede o limite imposto pela idade “não vale a pena dar a vida por quem não daria a vida por você.”

    Flamengo até na Reencarnação!

    domingo, 17 de julho de 2011

    PERDEMOS PARA OS INVENTORES DO APOLLO.

    O Único Paraguaio Que Mete Medo. El Cabañas
    Salve Nação e galerinha afim que freqüenta esse blog comentadão da terra do Ramires! Não sei se por nervosismo, desdém ou que cargas d’água, mas jogo da selecinha me remete a sentar em frente ao lap e tecer textos, artigos, postagens e até crônicas sobrevoam minha fértil mente. Também é de se entender, afinal desde a Copa das Confederações de 2005 que não é possível sentar-se em frente à TV na certeza de que os sustos serão menores que a diversão. Entra e sai ano, cai e nasce década e parece que nosso futebol caminha rumo a uma decadência assustadoramente deprimente. E deparando-me com a situação não vi nada melhor a fazer do que torcer cornetando e pra variar, vezes ou outra cornetar torcendo.
    Exatamente por ter noção que essa é a atitude da maioria dos habitantes desse país da tia Dilma, começo meu direito constitucional de cornetamento racional desabafando o medo que passei durante toda a peleja da bola ir em direção ao Grande JC. Cidadão que empala dois penosos daquele tamanho contra o Equador, causa arrepios só de pensar que o adversário seguinte é um time que não ganha nada, mas é chato, o Paraguai.
    Por outro lado fiquei menos infeliz – foi possível tal sentimento - ao ver o segundo maior enganador do mundo, bancando nessa partida (mais uma vez), Daniel Isopor Alves. Galerinha, se ainda que contestado, Odvan e seu estilo rude e sucinto era o zagueiro-zagueiro, Maicon é irrefutavelmente o lateral-lateral. Camarada sai jogando, passa correndo, abaixa a cabeça, vai no fundo (não é isopor), dá na área e ainda marca gol se a zaga der vacilo. Que me desculpe a garotadinha pós 90, mas sou dum tempo onde ser lateral é isso aí. Na minha época, ala era o nome dado pra lateral que não sabia marcar e cá entre nós numa equipe de esquema 4-4-2 tem que ser lateral, senão as beiradas viram insanas e fatais avenidas. Maicon é titular. Ala nesse esquema tem que ser é banco mesmo.
    Todavia, não poderíamos ter dado moral pra timeco de um país que não me é útil desde os tempos do mini-game APOLLO 12 em 1 que impulsionou a evolução tecnológica ao implantar o sistema 999 em 1 pouco tempo depois. O jogo era barulhento, gráfico pavoroso, mas dava uma emoção do carai quando chegava lá pro level 7 e a tela não acompanhava a velocidade do carrinho ou a queda das pecinhas do Tetris.
    Mas voltando a falar desse país, rival da China na pirataria, não aceito uruguaiagem por parte desses caras, porque só quem dá vacilo pra timeco raçudo é a Argentina. Raça ajuda, mas perder pra time que só luta é emitir atestado de debilidade técnica.
    Por isso, fiquei na esperança de que nossa selecinha resolvesse logo essa fatura e que animais nesse jogo fossem apenas Pato e Ganso. Mas as mulas tomaram a vez do Frango e argentinamos nas quartas de final. E como fica a vasquetada, tricoletada e botafogada que fica torcendo pra chegar o jogo do Brasil só pra visitar esse blog sem ter que se deparar com lindas histórias de seu algoz Mengão? Na saudade.
    Meu povo e minha pova, quatro pênaltis isolados consecutivamente é tão ridículo que nem mesmo Palermo fora capaz de um recorde de tamanha negatividade.
    Elano, Neymar e essa garotada da Vila só jogam na vila. É burrice insistir nessas inconhas em nossas equipes se de fato almejarmos títulos. E mais, Fred como homem de salvação é sacanagem né? Nem o Fluminense acredita nisso.
    E com a essa sucessão de asneiras que se sucederam sucessivamente como esse pleonasmo propositalmente construído nesse parágrafo, pagamos mico na Evitalândia e vimos os camaradas que fazem bico na seleção da Bolívia (são idênticos perceberam?) alisarem as bundas canarinhos e seguirem rumo a outro quase-título.
    Mas vejamos pelo lado bom. Dunga tinha um time assim, feio assim e que jogava assim. Foi trombando e na sorte ganhando. Faturou Copa América, Copa das Confederações e quando precisou jogar a única Copa que valia a pena... botafogou. Acreditem, tivemos um avanço nessa derrota horrorosa. Quem sabe o Hermano não vasca, ou o Robinho, ou André Santos, ou o Fred, ou...
    Já ia me esquecendo. Aquele Lucas Leiva nasceu onde? Avisa, que pra eu tacar uma bomba lá antes que se produzam outros tantos. Porque pior que um jogador ruim de bola é um jogador inútil, pois o ruim sai do time, mas o inútil causa esperança... No treinador.
    Flamengo até na Reencarnação!

    Galerinha, me senti na obrigação de compartilhar convosco essa insanidade, mas que exala personalidade (e bota personalidade nisso). Afinal, depois das cobranças de penais que vimos o time da pátria executar, está arriscado o estresse pós-traumático ser grande a ponto de isolarmos até penalidade no PES. E como não quero vascar a Master League de ninguém, deixo-vos com a pérola abaixo. Mas crianças, não tentem fazer isso em casa.

    Alguém manda pro twitter do Elano?

    sábado, 16 de julho de 2011

    ADIDAS QUATRO LISTRAS

    Parece Mas Não É
    Salve Nação! O sabadão está chegando ao fim, os judeus já se empanturram, a hora de curtir a night se aproxima e tudo parece seguir sua rotina tranquilamente, o que sentencia esse blog super acessado pela galera de BP city a ficar sem nenhuma postagem no dia que apressa em findar. Ledo engano. Isso nunca acontecerá enquanto o Euricoteam ainda existir.
    Paro minha carcaça vencedora e ressacada pela biritada do show do Alexandre Pires que curti em nossa Expolama (sem lama) - agora denominada Expo-Rinite – para assistir um jogo entre um recém chegado do inferno e um candidato às trevas quando acaba a luz na Pocilga cagada de pombo. Em que dia o brasileiro vai entender que nem todo mundo é capaz de desfilar com um Nike 12 molas? Em alguns casos, como o do Vasco, até seu estádio feião, esboço de várzea, cujos alambrados visivelmente estão frouxos, se torna mais uma pífia obra impossível de ser mantida. E olha que comparando estádio bom à um Nike 12 molas, São Janu é um tenebroso ADIDAS DE QUATRO LISTRAS, daqueles que vendem-se aos montes em lojinhas sob viadutos em BP city, porque pra quem vê de longe ou não conhece pode até parecer um bom produto, mas quem conhece esculacha logo de cara.

    Não bastasse o Botafogo e sua total inadimplência ante as contas do Vazião, agora o time da caravela parece seguir o exemplo de seu primo zebrado e começa a vascar as contas de luz, fazendo gatos tamanhos capazes de detonar com toda a redondeza. Esqueceram do ocorrido com o Flu diante dessa tentativa de burlar os caras da energia e da água? Tiveram que alugar a sede e ver seu palco maior servir de arena para Bichuquinha, Frusketa, tantos outros palhaços e cuspidores de fogo, quando o Circo Garcia chamou as Laranjeiras de Lar.
    Por isso orgulho-me em saber que meu time não possui um estádio com espaço suficente para sua torcida, mas nem por isso insiste na idéia (como alguns) se expondo a ridículos, vexames e servindo de piada para blogueiros, jornalistas e gaiatos-natos espalhados pelo Brasil. Pra que ficar passando por isso quando é tão simples arrumar um money em qualquer alugadão por aí? Pra que ficar dando esclarecimentos e afirmando, sem poder, em quanto tempo a energia será reestabelecida (ou o gato será desfeito)?
    Se bem que eu entendi perfeitamente o porquê dos 30 minutos esclarecidos pelos responsáveis lá da Colina – nome usado para substituir morro. Meia hora é tempo suficiente de fazer uma vaquinha de R$1,50, correr até a lan mais próxima e pagar a conta de luz pelos serviços Itau bankline.

    Flamengo até na reencarnação!

    sexta-feira, 15 de julho de 2011

    ESSA FÓRMULA DO FLU VASCA DIRETO

    Conheço Um Botafoguense. Sou Um Mito
    Salve Nação cansada de levar sozinha o bom nome do futebol do Rio! Acordei pela manhã bastante cansado após um show do Michel Teló onde ficou visível que o cidadão, vindo de Mato Grosso, desconhece o timeco do meu brother Caio que abrilhanta esse post show de bola. Sim, na hora da brincadeira com as torcidas o cara brincou com Vasco, Flu, fechou com chave de ouro (como todos fazem) com nosso Mengão, porém entre o time na nau furada e o Mengão HEXA na marra, o genérico do Luan do Santana demonstrou um certo loading misturado a um please wait e ciente de que era um alvi-negro o time que lhe fugira a mente, soltou: “Cadê a torcida do... do... Corinthians!!!” Mítico esse Teló. Não gostava muito dele, mas já virei fã.
    Michel – que de perto é a cara do meu brother super gente-fina Guto Cariello - , apenas deixou às claras o que Pero Vaz de Caminha, no tempo em que ser de Portugal era sinônimo de respeito, dissera em solo Tupiniquim acerca dos nativos e que citarei. Os elencos botafoguenses desde 1995 estão “todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse suas vergonhas”. FATO!
    Aproveitando a deixa, lembremo-nos que impossível é citar a palavra vergonha e não lembrarmos do Flu, cujo algoz é o grande artilheiro Cazé da MTV. Esse timeco de rebaixamento que se emparelha aos títulos nacionais (graças à CBF mãe dos pobres), não cansado da velha técnica sempre furada de pegar jóias ex-rivais e tentar torná-lo ídolos da parada gay, agora sonda Vagner Love, o sonho de muitos nessa Nação rumo ao HEPTA.
    Porra Fluminense, será que a torcida do Anapolina não deixou claro vossa posição nesse esporte de multidões ao cantar em alto e bom som “Ão, Ão, Ão, Quarta-divisão!”? Precisaríamos de quantos times do Dom Pedro – aquele composto por bombeiros que trabalharam salvando vida até às 18:30 e dada às 21:00 empatara com sua senhoria em 2 a 2 – para que enfim entendesse que quem nasceu pra ser sardinha nunca chega a tubarão?
    Como diria (e dirá assim que souber) meu grande pai e herói, grande botafoguense, Antonio Mariano: Recolha-se à sua insignificância!
    Essa história de recrutar mercenário tá vascando faz tempo e parece que o time do plano de saúde não se ligou ainda. Teremos que chamar Roni e Magno Alves para lembrá-los onde isso dá ou apenas o goleiro Welerson já será suficiente?
    O time dos médicos deve ter em mente que nem banana vinga sob qualquer ambiente climático nem em qualquer terreno. Logo, esperar que estrelas do quilate de Romário, Vagner Love e Edmundo 365 dias vinguem na sede do Garcia é no mínimo um vislumbre utópico digno de punição divina praquele que ousar rir.
    Portanto, creio já ter sido demasiadamente claro sobre o que pensam os deuses do futebol acerca desse assunto e vejo-me então apenas na obrigação de agradecer a galerinha flamenga, os caras da caravela, amantes da estrela solitária e até os pó de arroz pela repetição do sucesso de minha antiga casa, o FLAMOR. Confesso não ter acreditado que fosse possível repetir tal feito e sinto-me lisonjeado pelos 1000 acessos em um mês, assim como no antigo recinto (que peço que não deixem de visitar).
    Ao Thadeu, meu brother semi-salvo que é filho de sofredor e tem irmão mulambo, à Lívia (eterna chefa), Caio, Marina, Simone (my love), à recém chegada e dona de um talento esplêndido, Thamara Morgan, Letícia e sua arte maneiríssima e tantos outros que deixaram de lado por um pouco de tempo o clubismo e sempre visitam esse espaço loucamente Flamengo, meu muito obrigado!
    E avisem à geral (porque recalcado, malandro, prostituta e boca de fumo tem em todo lugar) que esses são apenas os primeiros 1000 acessos e que em breve o FLAGAIATO crescerá. É uma surpresa, mas os primeiros passos já foram dados. Vamos juntos, porque ainda que divergentes, somos apenas um único povo que o amor dividiu em quatro.

    Flamengo até na Reencarnação!

    quinta-feira, 14 de julho de 2011

    A GRAMA DO VIZINHO NÃO ANDA TÃO VERDE

    Tem Que Mostrar Pra Galerinha Da Tia Paty
    Salve Nação que esculacha geral nesse estado todos os dias no campeonato de mata-mata de títulos expressivos. Depois da noite de quarta onde presenciamos nossa selecinha bater de 4 no time da linha imaginária com 2 de Neymar, 2 de Pato e 2 do frango (o que foi aquilo JC?), era pra geral da rapeize estarem felizes e saltitantes, mas não pode ser perfeito. Por causa da vitória da selecinha – que descobri ainda torcer e comemorar gol como se fosse meu time do PES – nossa Seleção bem vestida, que ostenta o manto rubro-negro e enverga a bandeira com o rosto do artilheiro do Maraca, terá que enfrentar o time do chiqueiro só na quarta, ou seja, mais um domingo sem jogo do Mengão.
    Há quem diga que isso é uma boa, dá tempo pra arrumar o time e blá blá blá. Eu não acho. Arrumar o quê? A zaga tá arrumada com a chegada 99,99% certa do Alex Silva, os volantes estão causando inveja nos nunca-hegemônicos, o meio-ofensivo toca o terror todo jogo e a torcida parece vir fazendo aos poucos as pazes com o Deivid. Se alguém precisa arruma, mexer, rever alguma coisa é a diretoria que insiste em tentar (graças a Deus em vão) nomes desprestigiados e inúteis para vestirem nossa armadura maneirona.
    Confesso que por momentos achei o Kléber um bom nome, mas só arruma problemas, não tem moral com ninguém e o que é pior, tem um retrospecto de títulos pífio, coisa de cara criado no Caio Martins, São Januário e essa coisas esquisitas que vez ou outra lança um volante que vira banco da sub-17.
    Sinceramente Nação. Não precisamos de ninguém naquele ataque, senão o já descartado e infeliz Imperador que sofre com os gambás e seus 85 quilos acima do peso ideal. Fora o Impera, podem pegar Kléber, Tevez, Messi e até o mala do André aspirante a Robinho e mandar pro Fluminense que procura loucamente (bota louca nisso) por alguém pra poder chamar de seu. Vê se pode querer André? Quem é André? Pelo que sei, esses meninos da vila só jogam na vila e como a parada aqui está há anos-luz daquele cafofo que chamam de estádio é melhor nem pensar em fazer gracinha. Mania feia de ficar dando moral pra grama do vizinho.
    Tem muita molequeira fera da base que dá conta do recado nesse campeonato onde só perderíamos o HEPTA pra nós mesmos, o que está fora de cogitação. Portanto vamos parar de palhaçada e siricuticos nada a ver antes que a síndrome de botafogamento queira se aproximar. Manter-nos-emos em nosso pedestal onde o tempo aliado às glórias e o manto nos eternizou e congratulou-nos a ver tudo de cima. Time que vende jornal até quando não tem notícia, não deve ficar deificando quem não merece tal exaltação. Tenho dito.

    Flamengo até na Reencarnação!